terça-feira, 26 de novembro de 2013

O desespero dos ameaçados contra rebaixamento


Ligo o computador nessa segunda-feira pra me atualizar das notícias do mundo do futebol e me deparo com uma bem preocupante: Times reúnem-se para rebaixar Ponte Preta, Portuguesa e Criciúma, times pequenos comparando com Coritiba, Vasco e Fluminense.

Segundo algumas publicações, o motivo seria um novo item do regulamento que limita o número de jogadores transferíveis na mesma divisão. Usando o português claro, um clube pode aceitar apenas 5 jogadores da mesma divisão que disputa. No caso de Ponte, Lusa e Criciúma, houve um excedente desse limite e que agora esses três clubes, encabeçados por Coritiba, Vasco e Fluminense estudam entrar com um recurso no STJD para que esses clubes percam alguns pontos.

Curioso é que esses seis times envolvidos brigam contra o rebaixamento, e é claro estão tentando arrumar um jeito de se manter na primeira divisão. Por mais desorganizado que seja o futebol brasileiro, alguém dos registros ou do B.I.D, ou da própria CBF iria notar alguma irregularidade e provavelmente iria avisar aos clubes para não cometer esse erro. A duas rodadas do fim, aparecer que Coxa, Vasco e Flu se juntam para rebaixar três times é um atestado da incompetência de seus dirigentes que não conseguiram montar um bom elenco, contratar um bom técnico e fazer um bom campeonato.

Coritiba começou muito bem o campeonato, mas caiu como todos os outros clubes, exceção ao Cruzeiro. Aquela convicção do começo do campeonato não era a mesma, direção mudou o técnico e rasgou todo o planejamento da temporada. Escolheu um técnico de lampejos e entrou na zona de rebaixamento na pior hora que tinha pra entrar, na reta final do campeonato. Não justifica o Coxa querer achar alguma irregularidade para se manter na primeira divisão. Torcedor tem sua paixão, mas também tem honra. Jamais vai querer que seu clube se beneficie ao prejudicar ao outro. O esporte é decido dentro das quatros linhas e lá que deve ser resolvido. 

Outro que me espanta ter essa atitude é o Vasco, que dentro de campo vem mostrando ser capaz de sair dessa zona de desconforto. Vem numa reação muito positiva e isso pode pegar mal também para os jogadores. Isso mancha o currículo deles, imaginem só ficarem conhecidos por não ter conseguido manter o time na primeira divisão e precisaram da ajuda do tapetão...

E pra piorar é o Fluminense, querer participar de um novo tapetão. Já não basta aquele de 2000, em que o clube das Laranjeiras foi automaticamente promovido da Série C para a Série A, sem passar pela B? Sem contar também o atestado da patrocinadora que faz loucuras e não conseguiu manter o atual campeão na primeira divisão.

Portuguesa e Criciúma talvez consigam se salvar dentro de campo, mas talvez sejam condenados fora dele. O fato de ter três clubes muito populares fazendo pressão para que o tapetão seja feito, pode causar efeitos. Não é o que queremos. Estamos em um ano especial. Um ano em que o Brasil resolveu sair para as ruas para protestar. Os jogadores reivindicam um calendário melhor para o futebol brasileiro. Retroceder a um tapetão levará a descredito toda a tentativa de moralização do futebol nacional.

Que se os clubes mereçam ser punidos, que sejam. Não por pressão de A, B ou C, mas sim por terem cometido realmente essa infração. Repito, nessa altura do campeonato, dá a impressão de desespero total dos dirigentes dos clubes envolvidos. 

Não queremos voltar aos anos em que o futebol brasileiro era formado por viradas de mesa. Acredito que com o rebaixamento de grandes clubes, esse mal do futebol não volte a nos atormentar
Compartilhar:
Postagem mais antiga Página inicial